Conteúdo Exclusivo Online

Mostrando de 1 a 6 de 6
  • Conteúdo exclusivo Conteúdo Exclusivo Online 05/08/2009

    Avaliação Formativa e Psicologia Cognitiva: Correntes e Tendências

    Introdução Existem aquelas disciplinas, aqueles temas de estudo que dão todas as aparências de um corpo de conhecimentos relativamente estáveis. Por exemplo, e sem querermos ofender ninguém nem menosprezar o esforço de certos colegas, os ensinamentos relativos às características e às aplicações da curva normal das probabilidades não têm mudado muito nos últimos anos; nem, aliás, o ensino dos algoritmos de resolução de equações do primeiro grau com duas incógnitas! Não se pode dizer o mesmo da genética, da tecnologia informática e da avaliação formativa das aprendizagens! Ao longo das últimas duas décadas, a avaliação formativa tem sido o objeto de várias obras e, apesar de tudo, ela se inscreve ainda hoje nos passos de uma intensa reflexão que jamais deixou de dominar a teoria e a prática. Após os necessários esclarecimentos sobre a sua natureza e os múltiplos aspectos de sua função de regulação, talvez tenha havido o sentimento de um merecido descanso e de assentamento das estruturas. Mas "pedra que rola não cria limo", e a prática da avaliação formativa, na qual foi possível implantá-la com muitos procedimentos de sedução, sempre é um empreendimento em andamento. O advento das ciências ditas cognitivas e das pedagogias que nelas se inspiram está reavivando um campo ainda em ebulição. O autor do presente texto vem se interessando há vários anos pela metodologia da avaliação e, na hora em que entrevê as perspectivas que se abrem a esse tipo de avaliação, achou por bem tomar uma certa distância para melhor entrever o horizonte. As correntes e as tendências que se prenunciam indicam que, mais cedo ou mais tarde, será necessário trabalhar, pois os imperativos de certas pedagogias já estão adiantados para com as práticas de avaliação implementadas.

    Gérard Scallon

  • Conteúdo exclusivo Conteúdo Exclusivo Online 09/12/2009

    Competências na educação

    A introdução do termo "competência" no ensino é o resultado da necessidade de utilização de um conceito que responda às necessidades reais de intervenção da pessoa em todos os âmbitos da vida

    Antoni Zabala

  • Conteúdo exclusivo Conteúdo Exclusivo Online 09/12/2009

    Formação continuada de professores

    O autor faz uma reflexão que ajuda a compreender o discurso atual da formação do professor e permite não apenas pensar, mas também gerar alternativas de futuro

    Francisco Imbernón

  • Conteúdo exclusivo Conteúdo Exclusivo Online 22/07/2013

    Na rua

    Estamos vivendo um momento incrível até para quem, como eu, participou de movimentos anteriores de revolta e reivindicação populares, como as Diretas Já, para citar um. Anos se passaram até que os “caras pintadas” tomassem novamente as ruas.

    Tania Zagury

  • Conteúdo exclusivo Conteúdo Exclusivo Online 26/06/2015

    Previsíveis Previsões

    Ufa! Finalmente o resultado do IDEB saiu! E gerou, como de hábito, comentários diversos em jornais, redes sociais, televisão. A maioria ficou perplexa diante dos resultados desalentadores. Dentre eles me pareceu haver consenso em relação aos sofríveis resultados do ensino médio, que gerou propostas variadas: algumas reafirmando a necessidade de mudanças curriculares imediatas; outras apostando no aumento da carga horária – que, aliás, consta do Projeto de Lei 6840/13, que trata do ensino médio integral; houve quem sugerisse adotar o currículo por áreas de estudo, utilizado no ensino fundamental faz tempo, à guisa de solução. Não faltaram ideias. Algumas já estão até sendo discutidas na Câmara dos Deputados, em Brasília. 

  • Conteúdo exclusivo Conteúdo Exclusivo Online 09/02/2010

    Uma educação para todos a partir de uma escola que ajude

    A extensão da educação à totalidade da população em seu nível básico, as maiores possibilidades de acesso aos demais níveis daquela, unidas ao crescimento das exigências formativas do meio social e produtivo, avivaram a legítima aspiração dos espanhóis a obter uma educação melhor e mais prolongada.

    (Lei de Ordenação Geral do Sistema Educacional. 1/1990)
    LOGSE 1/1990
     

    Antonio Mª López Ocaña & Manuel Zafra Jiménez